Escultor

Fabrício Carvalho entre suas esculturas na Objetaria

Embora às suas criações sejam atribuídas às mais diversas funcionalidades, Fabrício Carvalho é enfático ao se definir como um artista. Afinal, foi a arte que o arrebatou e despertou seu talento para as atividades manuais. Ainda criança, pôde acompanhar as atividades do escultor George Hardy que, muitas vezes, executava seus trabalhos na oficina da família de Fabrício. Posteriormente, ele visitou uma exposição do artista Carlos de Matto e ficou encantado pelas obras que misturavam aço oxidados com pinturas.

Naquele momento, Fabrício deu início a um trabalho com oxidação, criando painéis de fotos. O apuro técnico e os conhecimentos específicos da área foram sendo adquiridos com horas de dedicação ao trabalho e com os estudos. O artista estudou História da Arte Mundial e História da Arte no Brasil, na Maison, com Yara Tupynamba, e fez extensão em desenho, na Escola Guignard e Design de Interiores no INAP.

Atualmente, Fabrício trabalha técnicas e ferramentas medievais, como forja, bigorna e marreta, aliando à mais alta tecnologia, como corte plasma, soldas TIG, MIG/MAG, ponto. Desta forma, consegue extrair o melhor das propriedades de suas matérias primas: da oxidação do aço patinável ao brilho do aço inox.

Fabrício Carvalho com sua maquete feita em aço carbono do Estadio Magalhães Pinto (Mineirão)

O resultado, são peças únicas, com uma linguagem diferenciada, que brinca com as formas, sem abrir mão da função. Um jogo entre a serralheira tradicional e a arte, que resulta em peças que compõem ambientes com charme, leveza e personalidade. Este equilíbrio também faz parte do processo criativo do artista que, em uma parte do seu trabalho se dedica a fazer peças sob encomenda e em outra parte, cria com liberdade total.

Fabrício Carvalho com uma de suas peças em uma mostra no Shopping Ponteio

Tendo como referências os trabalhos de Salvador Dali, Escher, Dominique Imbert, George Hardy, o artista Fabrício Carvalho destaca alguns de seus trabalhos que puderam ser apreciados publicamente:

EXPOSIÇÕES

2002: A primeira exposição, batizada de “Garagem da Casa”, no Bairro Caiçara, em Belo Horizonte.

2004: Exposição coletiva “O Bicho Homem”, na PUC Minas.

2007: Releitura de Salvador Dali, na Semana do Design no INAP.

2007: Graças ao trabalho anterior, Fabrício foi contratado pelo artista visual Tarcisio Ribeiro para criar 340 borboletas para a instalação “Trilhas Urbanas”, na Avenida dos Andradas.

2010: Mais uma vez foi contratado por Tarcisio Ribeiro para a ex- ecução e elaboração da instalação na inauguração do aquário do Zoológico e execução das borboletas do “Mercado das Borboletas”.

2012: convidado para Casa Cor e IV Bienal Brasileira de Design (Mostra “1 pessoa 10 cadeiras”).

2013: Mobiliário da Beatificação Nha Chica